15 September 2015

Se falamos de neuromarketing, podemos falar de neurocomunicação?

Para falar de forma próxima e personalizada ao consumidor-cidadão, precisamos conhecer suas verdadeiras necessidades, especialmente em uma era na qual este se torna muito mais exigente intuindo que, entre todos os estímulos que lhe cercam, algum lhe oferecerá exatamente o que pretende. Mas como podemos saber o que ele quer realmente? Podem as técnicas da neurociência dar uma nova dimensão às da comunicação? Onde estão os limites deste processo e quando beira a manipulação?

Neste novo artigo introduzimos a neurocomunicação como esse futuro campo no qual avançar para compreender melhor como se articulam os sistemas de crenças dos consumidores de conteúdos atuais e assim tentar responder de uma maneira mais otimizada a essa pergunta que nos fazem constantemente… “E você, o que tem para mim?”

David G. Natal. Responsável pela Área de Consumer Engagement da LLORENTE & CUENCA

ESPAÑOL
ENGLISH
PORTUGUÊS
PORTUGUÊS-BRASIL

Artigos Relacionados

Este sitio web utiliza cookies, tanto propias como de terceros, para recopilar información estadística sobre su navegación. Si continúa navegando, consideramos que acepta su uso.

ACEPTAR
Aviso de cookies