21 March 2016

Cuba-Estados Unidos: Um degelo irreversível mas não imediato

O degelo das relações entre os EUA e Cuba veio gerar renovadas expectativas sobre a abertura do mercado cubano a novos investimentos e oportunidades de negócio para as empresas e para os empreendedores. Cuba é um país que desperta interesses e paixões encontradas, atraindo uma especial atenção tanto a nível político e econômico como social, e gerando expectativas de abertura e desenvolvimento até agora quase sempre frustradas. Mas algo mudou, e parece que de forma definitiva: após décadas de impasse, os encontros históricos entre Raúl Castro e Barak Obama no marco da Assembléia das Nações Unidas em Nova Iorque em 2015, a viagem do Presidente Barak Obama à ilha, e as medidas empreendidas por este para facilitar as relações com Cuba assentaram as bases para uma nova era nas relações da ilha com o resto do mundo.

Geraram-se expectativas muito positivas em relação às possibilidades de abertura comercial e econômica, em que as empresas podem desempenhar um papel protagonista, contribuindo para o desenvolvimento econômico e social do país. Cuba é um mercado praticamente virgem, no qual emergem interessantes oportunidades de negócio para aquelas empresas que saibam identificar e propor negócios e investimentos que resultem proveitosos para ambas as partes. As autoridades cubanas mostraram interesse em abrir as portas a empresas e a investidores que queiram fazer de Cuba uma nova plataforma de negócios, mas de uma forma ordenada e coerente com a realidade cubana.

No entanto, Cuba e o seu entorno de negócios não se parece em nada a qualquer outro país do mundo. Como em muitas outras coisas, Cuba mantém a sua singularidade e um “modus operandi” que é necessário conhecer e respeitar. As nossas empresas têm agora uma oportunidade de se posicionarem num mercado com um enorme potencial de futuro, mas é necessário investir no conhecimento da realidade do país, com especial destaque para a forma como se geram e se processam as oportunidades de negócio, para que possam adaptar-se corretamente à particular realidade econômica e institucional do país, uma vez que a economia cubana se encontra fortemente regulada.

Qualquer abordagem da situação atual de Cuba deve ser alargada, global e estratégica. A ilha é algo mais do que uma simples estação de destino, e pode converter-se em poucos anos numa extraordinária plataforma regional para os negócios, aproveitando não só a sua posição geoestratégica, como o melhor ativo da ilha, que é o seu capital humano, muito preparado e com um custo competitivo.

Temos a oportunidade de construir uma relação sólida e de longa duração com as autoridades cubanas, que permita modernizar a economia da ilha e gerar um ciclo de crescimento e prosperidade, tanto para o povo cubano como para as empresas que apostem pelo país.

Joan Navarro, Sócio e Vice-presidente de Assuntos Públicos de LLORENTE & CUENCA

Pau Solanilla, Diretor Geral para Cuba de LLORENTE & CUENCA

ESPAÑOL
ENGLISH
PORTUGUÊS
PORTUGUÊS-BRASIL

Artigos Relacionados

Este sitio web utiliza cookies, tanto propias como de terceros, para recopilar información estadística sobre su navegación. Si continúa navegando, consideramos que acepta su uso.

ACEPTAR
Aviso de cookies