21 November 2017

A América Latina e o desafio das cidades inteligentes

A América Latina é a região em desenvolvimento com a maior taxa de urbanização do planeta, e segundo estimativa das Nações Unidas, em 2050, 90% da sua população viverá em megacidades. Isso representa um desafio para os países que não conseguiram resolver os grandes problemas dessas imensas aglomerações urbanas, que são: pobreza, insegurança, poluição e mobilidade.

A disseminação do conceito de smart city, ou cidade inteligente, levou muitos a buscar soluções para os desafios tecnológicos enfrentados pelas cidades. De fato, a tecnologia tem sido historicamente essencial para o progresso social, como a máquina a vapor, que iniciou a revolução industrial e o surgimento da classe média. Porém, a tecnologia por si só não é uma solução para esses desafios. Podemos ter soluções tecnológicas para erradicar a pobreza, reduzir a desigualdade, controlar a poluição e racionalizar a mobilidade, mas os problemas continuam. Portanto, a falta de uma solução parece ser por razões não tecnológicas.

“A cidade, considerada um projeto que coexiste harmoniosamente em um território, é inteligente quando as condições de vida dos cidadãos são ótimas”

A comunidade de tecnologia, provavelmente fora de seu interesse, impôs a narrativa da cidade inteligente com base nos indicadores de desempenho da gestão de serviços municipais. Afirmar que uma cidade é inteligente por usar novas tecnologias para gerenciar todos os processos de serviços municipais é uma abordagem reducionista. A cidade, considerada um projeto que coexiste harmoniosamente em um território, é inteligente quando as condições de vida dos cidadãos são ótimas. Filósofos, arquitetos e comunicadores devem unir forças e projetar a cidade para redirecionar o curso que a opinião popular tomou recentemente sobre o modelo de gestão pública. Mais conceitos devem ser envolvidos na área de cidades inteligentes, como: qualidade de vida, resiliência, desaceleração e até mesmo felicidade. Alguns pesquisadores desenvolveram classificações de cidades inteligentes que levam tudo isso em conta, como o nível educacional e a expectativa de vida, mas a maioria dos métodos publicados priorizam os indicadores tecnológicos.

“A oportunidade na América Latina é que a gestão urbana se tornou um tema de debate recorrente com a crescente popularidade das cidades inteligentes”

A oportunidade na América Latina é que a gestão urbana se tornou um tema de debate recorrente com a crescente popularidade das cidades inteligentes. Cinco anos atrás, a cidade inteligente foi objeto de análise em congressos de negócios, em um número crescente de artigos científicos e em reuniões de administradores municipais. O número de resultados de pesquisas no Google sobre este tópico cresceu exponencialmente; e a classificação das cidades em rankings forçaram os prefeitos a entrar na competição, modernizando suas cidades para que se mantenham na ponta como cidades ‘inteligentes’, e que não caiam no buraco das cidades ‘burras’. Para as pessoas, a cidade é o principal espaço legalmente estabelecido para a interação social, uma vez que a base da maioria dos fatores de qualidade de vida depende do seu bom funcionamento. Na América Latina, o estabelecimento de conversas profundas sobre gestão municipal deve levar a melhorias na prestação de serviços públicos e na convivência harmoniosa.

A CIDADE INTELIGENTE SE CLASSIFICA EM SEIS:

Governo inteligente, meio ambiente inteligente, economia inteligente, mobilidade inteligente, cidadãos inteligentes e estilo de vida inteligente. A América Latina pode melhorar em todos esses aspectos, mas também tem modelos que podem ser de exemplos para outras regiões.

Governo inteligente

A primeira categoria, governo inteligente, refere-se à oferta de serviços eletrônicos, além de medidas e políticas que contribuem para a transparência e a participação dos cidadãos nos processos de tomada de decisão. A maioria dos países latino-americanos está atrasada na implementação de administrações eletrônicas em comparação com a Europa e América do Norte, com exceção da Colômbia e do Chile, que realizaram progressos, pelo menos nas administrações nacionais. Recomenda-se um maior investimento na administração eletrônica da região. Isso resultaria em redução de custos de longo prazo, tanto para a administração pública quanto para o setor privado. Além disso, a implementação de iniciativas que promovem a participação dos cidadãos fortaleceria as instituições. Existem estudos de caso na América Latina, como o de Porto Alegre, que, em 1988, tornou-se a primeira grande cidade global a adotar orçamentos participativos. Existem também projetos inovadores recentes, como a plataforma tecnológica Mudamos.org, no Brasil, que permite a votação de contas online. Vale ressaltar também que o Brasil e principalmente o México ocupam posições de destaque no Open Standard Barometer do World Wide Web Foundation.

Meio ambiente inteligente

Meio ambiente inteligente se refere à redução do impacto no meio ambiente e a implementação de medidas de eficiência energética. Existe um paradoxo nesta região: por um lado, é o maior ‘pulmão verde’ do planeta e, ao mesmo tempo, sofre com a grande poluição nas megacidades. A cidade de Medellin é um estudo de caso internacional para o planejamento urbano, liderado por seus três últimos prefeitos que promoveram sistemas de transporte de menor impacto ambiental e promover a conscientização da sociedade sobre proteção ambiental. Os consultores do IDB para cidades de médio porte, como Cuenca (no Equador), Trujillo (no Peru) e Montevidéu (no Uruguai), também foram fonte de transformação na gestão ambiental urbana. Contudo, os líderes municipais regionais ainda precisam se comprometer com um avanço firme e contínuo para apoiar as energias renováveis; desta forma, reduzindo o consumo de recursos naturais e melhorando a confiabilidade das redes de distribuição de energia elétrica, água e esgoto.

Economia inteligente 

Com relação à economia inteligente, existem diferenças significativas entre os países. Por um lado, a produtividade se baseia em salários baixos e exemplos de inovação empresarial são difíceis de encontrar nas cidades. É preciso fortalecer os sistemas de pesquisa e inovação para que contribuam para o desenvolvimento de todo o ecossistema urbano. Por outro lado, em uma região onde apenas o Chile e o Panamá estão entre os 50 maiores no índice de competitividade global, há uma clara necessidade de implementar reformas que aumentem a produtividade e estabeleçam políticas que favoreçam o desenvolvimento de empresas inovadoras com visão internacional.

Mobilidade inteligente

Mobilidade se tornou um grande problema nas megacidades da América Latina devido à falta de infraestruturas e sistemas de transporte público, aumento do uso de veículos particulares e falta de disposição política para regulamentá-lo. Por exemplo, os casos de Bogotá, com a implementação do Transmilenio, e Curitiba (no Brasil), com as medidas de combinação para aliviar congestionamentos no trânsito e um sistema de transporte inovador, precisam ser estudados por outras grandes cidades. Modelos de negócio inovadores resultantes de novas tecnologias podem permitir o financiamento dessas infraestruturas.

Cidadãos inteligentes

O alcance da educação é um dos avanços mais notáveis da região neste século, pois é o reconhecimento e o apoio aos grupos étnicos mais desfavorecidos em cidades como o Rio de Janeiro. Uma nova geração de cidadãos inteligentes, de mentes abertas e empenhadas para melhorar suas comunidades, representa a esperança de um futuro promissor em cidades como Lima, Bogotá e Quito. A promoção contínua da educação e inclusão digital é essencial para a criação de um ecossistema próspero.

Estilo de vida inteligente

Buenos Aires e Cidade do México são localidades culturais. O turismo continua crescendo na Cidade do Panamá (no Panamá) e em San José (na Costa Rica). O índice de qualidade de vida nas cidades latino-americanas cresceu de forma constante neste século. Porém, sérios problemas persistem, incluindo falta de segurança e falta de serviços de saúde. Mas as novas tecnologias poderiam resolver esses problemas. Um exemplo é o Centro de Operações do Rio de Janeiro, instalado antes dos dois principais eventos esportivos realizados na cidade em 2014 e 2016. Este é provavelmente o sistema de segurança tecnológica mais completo e avançado do mundo.

A tecnologia deve contribuir para a resolução de desafios básicos e recorrentes tanto regionais quanto mais específicos de cada território, pois as cidades têm suas próprias características. Por um lado, a diferenciação é uma forma de competir por investimentos, talentos e outros recursos. A personalidade de uma cidade é o resultado da livre participação dos cidadãos na tomada de decisões sobre o futuro do projeto compartilhado dos lugares onde vivem.

O trabalho colaborativo envolvendo todas as diferentes partes interessadas no ecossistema pode acelerar o progresso das cidades em seus desafios de se tornarem inteligentes e compreenderem a palavra ‘inteligente’ de uma forma que esse progresso real

A visão ampla da cidade inteligente, que identifica a oportunidade para a América Latina no debate sobre gestão municipal, que surgiu sem se concentrar unicamente na tecnologia, exige permitir que o ecossistema atinja o objetivo de melhorar a qualidade de vida dos cidadãos. O trabalho colaborativo envolvendo todas as diferentes partes interessadas no ecossistema (governos, empresas, pesquisadores, setor terciário e cidadãos) pode acelerar o progresso das cidades em seus desafios de se tornarem inteligentes e compreenderem a palavra ‘inteligente’ de uma forma que esse progresso real.

AUTORES

Javier Rosado

Javier Rosado

Sócio e Diretor Geral da LLORENTE & CUENCA no Panamá

Rosado já liderou projetos principalmente relacionados à comunicação de crise, comunicação de infraestruturas e comunicação durante litígios. Antes de começar na empresa, Rosado foi diretor de comunicação da Refinaria Gibraltar-San Roque da CEPSA e gerenciou a comunicação da Petresa e Interquisa. Rosado trabalhou por quatro anos na Editorial Planeta, e por seis anos como jornalista em diferentes veículos de comunicação da Espanha, como Cadena Ser, Marca, ABC e Agencia EFE.

Raimundo Díaz

Raimundo Díaz

Diretor Sênior da LLORENTE & CUENCA no Panamá

Diaz concluiu seu mestrado em Marketing pela ESIC e PhD em Administração de Negócios pela Universidade de Cantabria, com a tese: Innovación abierta y modelos de negocio en ciudades inteligentes (Inovação aberta e modelos de negócios em cidades inteligentes. Diaz apresentou suas pesquisas sobre e-Business e cidades inteligentes em conferências de universidades de vários países e em quatro artigos científicos publicados por periódicos acadêmicos indexados na JCR.

ESPAÑOL
ENGLISH
PORTUGUÊS-BRASIL

Artigos Relacionados

Este sitio web utiliza cookies, tanto propias como de terceros, para recopilar información estadística sobre su navegación. Si continúa navegando, consideramos que acepta su uso.

ACEPTAR
Aviso de cookies